domingo, 9 de novembro de 2008

Blindness- Ensaio Sobre a Cegueira


Hoje fui ao cinema ver Blindness (Ensaio Sobre a Cegueira), que considerei bem fiel ao livro do José Saramago, que deu origem à película e que é genial. É um filme forte, com cenas fortes e que causa questionamentos introspectivos inevitavelmente, tanto quanto o livro, que li há uns 2 anos. Os recursos técnicos de luz e cor dão mesmo uma sensação de estar com a visão prejudicada, como fica a maioria dos personagens o tempo todo. Meirelles, como diretor, foi brilhante mais uma vez. Realmente, não foi à toa que Saramago chegou a se emocionar quando assistiu o filme ao lado do próprio diretor. Tecnicamente, o filme foi certeiro para nos deixar aflitos com uma pequena amostra do que seria ficar cego da noite para o dia e pior: como seria ficar cego durante uma epidemia de cegueira? A partir disso, é de se pensar: como o governo trataria a questão? como seria para sobreviver? seria preciso matar, roubar, brigar? a civilidade sempre acaba nas situações extremas?

**Ah, também confesso aqui um "defeito" meu péssimo. Não consigo me desvencilhar facilmente da realidade, mesmo em um filme fictício. Passei o filme todo prestando atenção no idioma, nos sotaques e tentando decifrar lugares. É que Blindness foi dirigido pelo brasileiro Fernando Meirelles com idioma Inglês. No elenco, uma micelânia internacional de peso: Julianne Moore (EUA), Danny Glover (EUA), Alice Braga (Brasil), Gael Garcia Bernal (México). Fora que o Saramago, o pai da história, é português, né? Em muitas cenas tinha certeza de que estava vendo São Paulo, mas o idioma nas lojas, produtos, em tudo que aparecia era o Inglês. Ao mesmo tempo reparei um táxi padronizado preto e amarelo, nada paulistano! Na verdade, o filme teve locações no Canadá, no Brasil (São Paulo), no Uruguai. Definitivamente, um filme globalizado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário